domingo, 23 de outubro de 2016

A minha boa surpresa da Rússia: Moscou!

Olha, vai ser bem difícil expressar em palavras o que eu vi e senti em Moscou nesses últimos dias. A cidade é simplesmente incrível, imponente, cheia de luzes coloridas por todos os lados, com prédios enormes e uma arquitetura de dar inveja, sem falar na cultura e história desse lugar, que todos nós conhecemos, né? Confesso que 4 dias não foi suficiente para fazer tudo que eu queria e que ainda deixei muita coisa passar, ou seja, precisarei voltar para terminar tudo! :D

Primeira foto da cidade! (L)


Eu acho que esse “maravilhamento” todo se deve também ao fator surpresa. Como assim? Bom, eu estou morando na Rússia há 5 semanas e, até o momento, não morro de amores pelo país e, muito menos, pelas pessoas. Eu faço um Mestrado na cidade de São Petersburgo, que é a preferida da maioria dos estudantes, mas definitivamente eu ainda não achei esse ponto G da cidade. Pode ser que isso mude de uma hora pra outra, mas por enquanto, ainda estou na fase de “não odiar” e tentando me adaptar ao jeito RUSSO de ser.


Dessa forma, minhas expectativas pra Moscou também não eram grandes. Na verdade, eu só fui porque a Nozomi, uma queridíssima amiga japonesa veio de Tóquio me visitar, mas queria conhecer a capital, então combinamos de nos encontrarmos primeiro lá e depois vir para Peter. Mas como vocês bem sabem, eu não recuso uma viagem, né? E os pezinhos já estavam inquietos para andar por aí.  Então, me organizei e parti.

Que gracinhassss e que saudadesss!


Cheguei na cidade por volta das 12:30 da quinta-feira, 20, e fui fazendo meu caminho para o hotel. É importante destacar que, em Moscou, praticamente tudo está escrito apenas no alfabeto cirílico, incluindo os nomes das estações de metrô, as placas indicando os nomes das ruas, os caminhos de saída, entrada, etc. Dentro dos trens, a mesma coisa: tudo em cirílico. Ou seja, carregue sua bateria do celular, leve consigo mapas do metrô e tente aprender o alfabeto antes de ir. Ajuda muito! Apenas em uma linha do metrô de Moscou, os trens têm os nomes das estações nas letras latinas e a “voz do metrô” fala em inglês qual será a próxima estação. Pelo que entendi, isso é um teste para a Copa do Mundo, que vai acontecer lá em 2018. Espero que entendam que é preciso mudar, né?

Siga as placas e serás feliz... só que não.


A Nozomi já estava me esperando no hotel e, depois de fazer o check-in, fomos visitar o Museum Theatre Gallery, que é bem conhecido. Acabamos errando o caminho e paramos no novo prédio do Museu e não no tradicional (são dois), mas estava tãooo frio, mas tão frio, que resolvemos entrar lá mesmo porque eu não queria mais congelar o nariz na rua! E não é que valeu a pena? A exibição era única e exclusivamente de obras do pintor Ivan Konstantinovich Aivazovskii, conhecido por suas obras marítimas. Se eu que não curto ficar vendo quadrinho em parede, adorei, imagina quem curte.

À noite, por indicação de uma amiga, decidi conhecer um bar próximo ao hotel, bem escondidinho, frequentado em sua maioria por russos, com drinks ótimos, comida boa e o melhor de tudo: preços super em conta. O nome do bar é Pod Mukhoy (Под мухой) e ele fica na Strastnoi bulvar, 6, Structure 2 (Страстной бульвар, 6, стр. 2, м), mas fique atento, pois a entrada é estranha e você pode se perder (como aconteceu com a gente.. hihihi). Super indico o lugar!


Decoração especial do barr... hahahaha


Na sexta-feira, tínhamos o Free Walking Tour (sempre falo dele em todos os meus posts porque é muito mara e vale muito a pena), no entanto, como somos burrinhas com senso de direção, mesmo com o Google Maps nos guiando, não achamos o ponto de encontro e perdemos o guia! No problem, fizemos o passeio por conta própria! Rsrs Estávamos perto da Praça Vermelha (Красная площадь) e já aproveitamos para ver tudo por lá! A Catedral de São Basílio (Собор Василия Блаженногo) é algo foooora do comum de tão bela que é! O exterior lembra bastante a Igreja do Sangue Derramado de São Petersburgo, mas por dentro é totalmente diferente. Com várias salas, quadros e artes, o lugar funciona como o museu e não como Igreja. Vale muito a pena entrar e as fotos do lado de fora ficam lindas! Use e abuse da câmera!

Catedral de São Basílio, Praça Vermelha


Demos uma volta na Praça, que é liiiinda, cheia de prédios diferentes (alguns não sei o que são, pois, como perdi o Tour, não sei bem a história de tudo por lá!), enorme e cheia de turistas, mesmo no congelamento polar. Passeamos mais um pouco e fomos atrás da entrada do Kremlin de Moscou (Московский Кремль), uma fortaleza onde estão várias Igrejas e a casa do Senhor Presidente Putin, entre outras coisas. A entrada que dá acesso às Igrejas custa 250 RUB para estudantes e 500 RUB para adultos. Vale a pena visitar cada uma delas.

Kremlin

Uma das Igrejas dentro do Kremlin que eu não sei o nome


O problema é que eu não estava prevendo que estivesse tão frio em pleno mês de Outubro, que teoricamente deveria ser Outono e não Inverno congelante, então estava com um simples tênis com meias grossas, mas que não deu conta do recado. Meus maravilhosos dedinhos do pé estavam em estado terminal e eu fiquei com medo de que eles caíssem do meu corpo e ficassem espalhados pela Praça! Então, não consegui ficar no Kremlin taaanto tempo quanto gostaria porque precisei correr para uma loja de sapatos e comprar uma bota de inverno! Hihihi

Iupiiii - Agora consigo andar sem necrosar os pés :D


Comemos algo e fomos encontrar a Nadezhda, uma colega russa que iria nos mostrar uma pouco mais da cidade. Na verdade, ela estava me ajudando com um projeto de trabalho, cujo foco era mostrar lugares de Moscou que os turistas não conhecem, locais frequentados mais pelos nativos, mas que vale muito a pena visitar. Ela nos levou em um lugar chamado “Kid’s Central Store” (Teatralnyy pr-d, 5/1, Moscow, 109012), que é basicamente um shopping enorme só com lojas e atrações para crianças, com uma cobertura que proporciona uma vista incrível da cidade. Vale MUITO a pena ir, pode acrescentar na lista. Além disso, dentro do Shopping, tem várias coisas bacanas com legos, montagens, brinquedos. Se você curte ser criança, como eu, vai adorar!


Maquete da Praça Vermelha na Kid's Central Store

Vista linda!!


Outro MUST-DO é dar uma volta pela rua  Myasnitskaya (Мясницкая улица). Apesar de a rua Tverskaya ser maravilhosa, cheia de encantos, além de a maior, mais larga e a principal da cidade, a Myasnitskaya é cheia de história, prédios super antigos e uma arquitetura bem Stalin, que vale a pena ser vista.

Compensando os vários prédios “sombrios”, bem neutros, enormes e sem telhado, que marcam a época de Stalin, Moscou é bem iluminada e cheia de luz em todo lugar. Não falo aqui de postes, mas sim de decoração e enfeites no chão, em prédios, nas árvores ou simplesmente pendurados no ar, que se acendem à noite mudando todo o cenário do lugar. Sabe a decoração que no Brasil as prefeituras fazem nas cidades na época de natal? Em Moscou, é possível encontrar ruas com decoração iluminada durante outras épocas do ano. Lindo!







Depois de caminhar muuuuito, paramos para uma cerveja em um bar suuuper típico russo, o Kamchatka (ul. Kuznetskiy Most, 7, Moscow, 107031), que foi, de longe, o meu preferido da Rússia até agora. Além de grande, com vaáárias mesas, o lugar é animado, tem comida e bebida boa e é BARATO. Pedimos aquelas torres de cerveja e uma bebida lá de mel, que suspeito que seja com vodka (afinal tudo aqui é vodka.. rsrs), além de comermos super bem, e gastei R$ 30. O lugar é frequentado por gente de todas as idades e, a partir de um certo horário, os mais “alegres” se levantam e começam a dançar ao som das músicas anos 90, 2000... Rsrs (Tipo eu!). De lá, paramos num pub chamado Cuba Libre para dançar um pouco.

Nozomi, Nadezhda e Eu

Cuba Libreeeeeee


No sábado, encontrei outra colega russa que me ajudaria nesse projeto que já mencionei e fomos bater mais perna. Ela me levou em dois centros culturais/artísticos de Moscou, o ArtPlay (Nizhnyaya Syromyatnicheskaya ul., 10, Moscow) e o Winzavod, que funcionam como “espaços criativos”, digamos assim. O ArtPlay, que é o maior e mais conhecido, é como se fosse uma “mini cidade”, com mini ruas e alguns prédios/construções. Lá, além de exibições para o público, estão a escola de filme de Moscou, sedes de várias empresas da área de arte/literatura/criatividade, além de serem oferecidos cursos e workshops. O local também tem restaurantes, bancas de comidas veganas e mais. Vale a pena visitar.





Depois desse tour, tive que voltar pro hotel para descansar, caso contrário não conseguiria sair à noite. Mais tarde, encontramos a Nadezhda para um jantar típico num restaurante tradicional da cidade. A comida russa não é lá essas coisas para o meu paladar e está longe de ser a minha preferida, mas o lugar é bem bacana e vale a pena conhecer se você quiser experimentar a refeição tradicionalmente russa. Fomos no Odessa-Mama (Одесса-мама), no Krivokolennyy per., 10с5, Moscow, 101000.

Aproveitamos o fim da noite, eu e Nozomi, para visitar a Catedral de Cristo Salvador (Хра́м Христа́ Спаси́теля), MARAVILHOSA. Não pudemos entrar porque era tarde da noite, mas valeu muito a pena a vista de fora, as esculturas e monumentos encravados nas paredes externas, a grandiosidade e beleza da construção que deixa qualquer um abismado. Além disso, a Igreja fica ao lado de uma das pontes que cruza o Rio Moscou, proporcionando uma vista belíssima da cidade, principalmente à noite. Saca a foto!

Catedral de Cristo Salvador

Vista maravilhosa !!!


No domingo, descansamos um pouco mais e iniciamos nossa jornada para chegar a São Petersburgo. Uber – ônibus – avião – ônibus – metrô – Uber. UFA. 7 horas depois, chegamos em casa. Rsrs

DICAS – Como chegar e onde ficar

A maioria das pessoas que mora em Peter prefere ir para Moscou de trem ou blablacar (um aplicativo onde você pegar carona com alguém que está indo de carro para aquele lugar e paga um determinado valor por isso), mas eu fui de avião porque não suporto a ideia de ficar 7 horas na estrada. Só de pensar, já fico enjoada. Além disso, os valores estavam muito próximos, paguei pouco mais de R$ 50 de diferença para ir de avião do que pagaria se fosse de trem. Geralmente, eu faço as pesquisas de voos através do site do SkyScanner https://www.skyscanner.com.br/  (o melhor, na minha opinião).  As pesquisas de trem você pode ver no www.rzd.ru .

Voei pela companhia S7 Airlines http://www.s7.ru/ , voo direto, sem direito a escolha de assento e a despachar bagagem (caso queira, pode pagar extra por isso). Os dois trechos custaram 5.700 Rublos com taxas (cerca de R$ 300). Mas fiquem ligados porque tanto o aeroporto de São Petersburgo quanto o de Moscou são beeem afastados do centro (demora cerca de 1h30 de ônibus/metrô) e você tem que chegar com 1 hora de antecedência do voo, né? Em Moscou, existe a opção de pegar o Aeroexpress do aeroporto para o centro, que leva cerca de 40 minutos, mas custa 500 Rublos, enquanto o ônibus custa 100. Eu peguei o trem na chegada e me arrependi porque poderia ter economizado esses 400 Rublos.. 

Para a reserva do hotel, fui no meu bom e velho Booking e reservei um mini hotel, bem no estilo Bed & Breakfast, mas sem breakfast rsrsrsrs O quarto era pequeno e o banheiro era compartilhado com outro quarto. Apesar da simplicidade, o valor compensou bastante pela localização, limpeza e (acreditem se quiserem) a simpatia das recepcionistas russas (chocada até agora!). O nome é Mini Hotel Aristocrat, mas se você preferir algo mais chique ou hostel mesmo, escolha nessa rua Tverskaya, que é a principal da cidade. O valor total para 3 noites – 2 pessoas ficou 6.960 Rublos (R$ 360).


Ai, sei que esse post ficou ENOOORME, mas é porque ele tem que refletir o quanto eu amei essa cidade e o quanto vocês PRECISAM visitá-la.

Beijos de Dumplings de batatas,

Pri!

0 comentários:

Postar um comentário