domingo, 25 de setembro de 2016

Como são os dormitórios das Universidades na Rússia?

A-hááá. Chegou o tão pedido post sobre os dormitórios universitários por aqui. Olha, me sinto num filme hollywoodiano, onde os adolescentes saem de casa para dividir quarto com os colegas de faculdade e aplicam para as Fraternities/Sorrorities, cheios de paqueras e bullying! 

Podia ser assim, mas não é.. Rsrs (Imagem da internet)


MENTIRA! Aliás, pode até ser que para os estudantes de graduação, o clima seja bem esse aí mesmo, mas eu já tô um pouco velha pra isso,né?! Rsrs Mas, por enquanto, a experiência está sendo positiva e tranquila. Espero que continue assim até o final do semestre.

Falando especificamente sobre a Universidade Estatal de São Petersburgo, posso dizer que são vários dormitórios espalhados pela cidade e muitos são diferentes uns dos outros. Quando eu cheguei, num sábado, não pude ir diretamente para o quarto que estava reservado para mim porque o meu dormitório não aceita registros no final de semana, apenas de segunda à sexta. Nesse caso, fui para outro dormitório apenas pelo final de semana, para na segunda-feira mudar para o meu definitivo. Então, vou falar especificamente sobre esses dois que eu conheço e ambos ficam na ilha Vasilievsky, que é onde fica a Faculdade de Comunicação, então ótimo.




Essa ilhazinha aí

Bom, o primeiro dormitório é o “queridinho” dos estudantes internacionais, pois é onde está a maioria deles, ou seja, mais fácil encontrar diversidade de línguas e culturas e não apenas russos. Lá, não é raro haver algumas “festas”, jantares e encontros entre amigos nos apartamentos, porque o povo é bem animado. No dia que eu cheguei, um árabe já convidou pra uma comemoração de aniversário de um brasileiro que ia ter no apartamento dele.. Rsrs Não fui porque estava muito cansada, mas saquei que o esquema do prédio é animado. Vi muita gente no sábado à noite em grupos para sair para festa, ou descendo para pegar comidas delivery e fazer resenha no apartamento, a vibe é bacana. Mas o apartamento em si não me agradou muito, porque, apesar de grande, é dividido entre muitas pessoas, além de ser o mais distante da Universidade.

O prédio é bem grande e fica na Kapitanskaya, próximo do mar. Os apartamentos são maiores, com uma cozinha espaçosa, com armários e mesa, equipadas geralmente com fogão de 4 bocas e geladeira de tamanho normal, mas podendo também ter alguns utensílios como pratos, talheres, panelas. Isso varia muito entre os apartamentos, mesmo que sejam no mesmo prédio. Os apartamentos desse dormitório podem ser de 4, 5 ou 6 pessoas (sendo 2 ou 3 por quarto, dependendo do tamanho do cômodo). O quarto que eu estava era para 2 pessoas, então eram 2 camas, 2 criados-mudos, 1 mesinha no centro entre as camas, 1 armário bem pequeno e 2 cadeiras.

Fachada do prédio da Kapitanskaya

O prédio e os apartamentos em si são antigos e me deram muito a impressão de serem da época soviética, com o vaso sanitário em um cômodo e a banheira e a pia em outro, além do tipo de material das construções, a madeira, enfim. Bacana vivenciar um pouco isso também tantos anos depois.







O armário é pras 2 pessoas do quarto




Durante os 2 dias que fiquei lá, dividi o quarto com uma chinesa que não falava inglês, apenas chinês e russo, então a comunicação estava daquele little jeito, né? Mas ela é super legal e consegui ainda usar um pouco a internet do celular dela, rsrs. No sábado à noite, chegou uma outra chinesa que falava inglês um pouquiiiiinho melhor e ficou mais fácil. No domingo, fui encontrar a minha amiga brasileira e elas foram comigo, então facilitou um pouco essa primeira locomoção porque eu estava sem chip daqui, portanto sem 3G, e não podia acessar o Google Maps, e elas falam russo praticamente fluente, então ainda melhor.

Como eu sabia que ia ficar apenas o final de semana lá, não desfiz mala, nem usei nada da cozinha. Na segunda-feira, me mudei para o outro dormitório, mais próximo da Universidade e também do centro, onde tudo acontece. Já esse apartamento é totalmente diferente, no estilo ‘kitnet’, deve ter no máximo uns 23 metros quadrados. Tem um quarto com 2 camas, 2 criados-mudos, 2 abajures (sem a lâmpada, tá? Precisamos comprar.. rsrs), 2 mesinhas de estudo com cadeira, uma mini estante na parede e um armário pequeno para as duas pessoas. Na cozinha, tinha apenas um fogão 2 bocas e um frigobar, então precisamos comprar todos os utensílios por nós mesmas. Estou dividindo o quarto com uma holandesa, que também está na minha sala, então fomos à loja e compramos tudo juntas (panelas, pratos, mixer, talheres, utensílios em geral, coisas de limpeza, etc.)

Em todos os dorms, são fornecidas roupa de cama e de banho, mas nesse que estou agora, por exemplo, a toalha de banho é bem pequena, do tamanho da de rosto, então não dá, né? Ainda bem que trouxe as minhas de casa... Mas eles dão protetor e lençol de colchão, travesseiro, fronha, edredom e uma colcha para forrar a cama. 







Nosso "porta-flores" é o mais legal


As regras também são diferentes. No que eu fiquei primeiro, por exemplo, era uma chave para cada quarto (2 pessoas), então era necessário deixar a chave com a Senhora nada simpática da recepção e buscar quando voltar. Já nesse onde estou agora, cada uma recebeu uma chave e é livre para levá-la onde bem entender. Também ouvi rumores de que alguns dorms impõem curfew para os alunos (hora para voltar pra casa), mas não sei se isso é verdade. No meu, não existe isso. Cada um é livre para fazer o que bem entender! Até porque ninguém merece ter horinha pra voltar pra casa, né?! Ah, tem alguns apartamentos também que não têm cozinha própria, então precisam compartilhar a cozinha comum. Por isso, mesmo a minha sendo pequenininha, acho ótimo ter uma cozinha só pra gente.

Além disso, o prédio oferece um sistema de lavanderia bem eficiente. Você deixa as roupas lá em baixo com a Senhora e depois vai buscar tudo sequinho. Geralmente, as roupas não vêm passadas, mas como são secadas na secadora, nem precisam, já saem lisinhas. Por isso, é importante também saber identificar o que não pode ir para a secadora (lembrando que alguns tipos de roupa podem encolher, como jeans e outros). Esse serviço não é gratuito, mas é muito barato, custa cerca de 300 rublos (R$15) para cada 5kg de roupa. Bom, né?

Outro lance importante é que há catracas nas entradas de todos os dormitórios, então o acesso só é liberado pelo cartão eletrônico que cada estudante tem, dessa forma não se pode receber visitas. Ah, e mesmo sendo um dorm internacional, TUDO é em russo, os avisos nas paredes, os horários de funcionamento e nenhuma das mulheres que trabalham aqui fala inglês. É uó! Essa semana, por exemplo, o prédio ficou 2 dias sem água quente e eles pregaram um aviso em russo na porta principal avisando, mas quem diabos entendeu aquela merda? Só fomos descobrir da pior forma: na hora do banho gelado! Afff! Fui lá em baixo com meu google tradutor perguntar o que tinha acontecido e só consegui saber porque uma outra aluna russa chegou e me explicou. Difícil porque, além de não falaram inglês, elas são suuuper grossas e mal amadas. Mas são quase sempre senhoras (60 anos ou mais), então sorriaaaa meu bem, sorriiiaaa!

VISITAS: Não sei se é assim em todos os dormitórios, mas nesse primeiro que eu falei (onde está a maioria dos estudantes internacionais - na Kapitanskaya) qualquer visita é proibida depois das 23 horas. Eu e alguns outros estudantes de outros dorms tentamos entrar à 1h30 da manhã para um "after party" com os próprios moradores do dorm e fomos barradinhos pelo velhinho mal humorado que estava na recepção, que nos pegou pelo braço e nos colocou pra fora! Hahahahahahaha 

Eu prefiro esse dorm que estou agora porque, apesar de menor, somos só nós 2, então é mais fácil adaptar e conciliar as coisas. Aqui, o clima é mais tranquilo, não tem tanto aquela vibe de festas como percebi no outro (até porque os apartamentos são menores, né? Então não cabe muita gente... Rsrs), mas eu ainda estou conhecendo o pessoal.

Essa é a nossa realidade de dormitório, mas pra mim tem valido a pena, por enquanto, considerando que serão apenas 5 meses e depois eu volto para Berlim. Quando eu voltar pra cá no próximo ano, pensarei se alugo um quarto num apartamento ou se continuo aqui, vai depender das finanças, afinal o custo aqui é absurdamente barato: pagamos cerca de 5 euros POR MÊS. Ou seja, praticamente nada, e ainda temos direito a trocar a roupa de banho/cama por outras limpas sempre que quisermos.

Ainda existem outros tipos diferentes de dorms em outras Unis ou até da própria SPbU, mas só posso falar dos que vi ou ouvi, né? Sei que no caso da Pavlov. State Medical University (1SPBGMU), um dos dormitórios dos estudantes de medicina funcionam de forma diferente. Basicamente o quarto é dividido entre dois alunos (como aqui), mas não existe banheiro ou cozinha no apartamento. Esses cômodos ficam no corredor e são compartilhados por todos os outros moradores do mesmo andar. Meio difícil, né?

A Marcele, estudante de medicina da Universidade, explicou ainda que os banheiros mais limpos são trancados a chave e apenas alguns alunos têm acesso, ou seja, a maioria fica com as outras opções. Além disso, lá tem o tal do curfew: Entre 1h e 6h da manhã, ninguém entre e ninguém sai.








 Acho que o dormitório da Universidade não é o lugar ideal para morar durante anos, pelo menos para mim. Estou aqui, como eu disse, porque é temporário, tem o que eu preciso nesse meio tempo e me ajuda a economizar grana, mas se fosse para passar os 2 anos do curso, definitivamente eu tentaria alugar um flat com amigos.

Увидимся,
ПPИ.

0 comentários:

Postar um comentário